Política participativa – cada vez mais perto da verdadeira democracia

Democracia-DiretaObjetivando a democracia – poder concedido ao cidadão para tomar importantes decisões políticas – a política representativa surgiu pelo motivo de não poder reunir todo o povo em um só lugar e muito menos poder ouvir cada pessoa em meio a essa multidão. Imagino, também, que essa reunião tomaria muito tempo das pessoas. Foi então que grupos de pessoas começaram a escolher representantes para decidir questões comuns a todos. Porém, alguns tinham mais que outros e assim, a corrupção adaptou-se ao novo modelo político, conforme já descrito em “Política representativa – você sempre foi enganado (a)”.

Não vamos pensar em uma solução para este caso, pois o passado já se foi. Portanto, nesses moldes podemos considerar inviável a política participativa para aquela época.

Hoje temos a internet para usarmos como ferramenta de comunicação participativa em massa.

Imagine que uma pessoa pense e apresente uma solução para um determinado problema. Se a proposta for interessante, outras pessoas irão comentar, concordar e compartilhar com outras pessoas, que farão o mesmo. Independente do tempo transcorrido, com o apoio de mais de 50% das pessoas, do total cadastrado de modo facultativo, essa solução então é aprovada e posta em prática. As pessoas e suas participações não são secretas e ficam registradas para quem quiser consultar. Simples assim!

A proposta é substituir os deputados e vereadores do poder legislativo pelo povo numa democracia direta.

Assista um vídeo muito esclarecedor a respeito do tema:

Se o vídeo não abrir clique aqui: Democracia Direta com Ton Martins

Tivemos uma ideia disso com a lei da “Ficha limpa”. Por iniciativa popular, mais de 1.3 milhões de pessoas assinaram a favor desse projeto de lei para ser aprovado pelo congresso. Resultado: em 2009 com muita pressão popular, fomos vitoriosos.

Temos outras iniciativas populares em andamento. Se concorda, assine e ajude a espalhar:

É desta forma que mudaremos o sistema gradativamente.

Outro exemplo que temos, apesar da mídia convencional tentar ocultar, é o que está acontecendo na Islândia desde o começo da crise econômica de 2008. Rejeitando as medidas de austeridade impostas pela União Européia e FMI, em 2009 o povo islandês se uniu, condenou os políticos e banqueiros envolvidos na crise e empregou a política participativa direta, com o auxílio da internet, para encontrar uma solução. Desde então, estão se saindo muito bem.

Para saber mais sobre esse caso da Islândia leia:

Voto Nulo

“Se voto mudasse algo certamente seria proibido!”

Voto obrigatório é ditadura e não democracia. Se você não vota, sofre retaliações, como multa de R$ 3,50 por cada pleito, que se não for paga, você não pode fazer seu passaporte, inscrever-se em concursos públicos, receber salários de função ou emprego público. Para saber mais, leia TSE – Eleitor Faltoso.

Abstenção, justificativa ou voto NULO são as melhores opções que temos agora, apesar de haver fraudes nas urnas eletrônicas:

Abstenção, justificativa ou voto NULO é não querer fazer parte de um sistema político que vem desde a época da Grécia e Roma antigas e que nunca deu e nunca dará certo para o povo!

Está mais que comprovado que não dá certo!

Temos que acabar com essa POLÍTICA REPRESENTATIVA, pois os políticos não nos repre$entam. Os projetos de leis são feitos indiretamente por grandes corporações e bancos que pagam grandes quantidades de dinheiro para a maioria dos políticos aprovarem. Por isso não adianta ficar trocando os políticos, pois no mundo do poder e do dinheiro, pessoas podem ser compradas ou assassinadas.

Solução: POLÍTICA PARTICIPATIVA

Como em um condomínio, somente os interessados criam, analisam e votam abertamente em projetos pela internet.

Um exemplo de sucesso é o “Ficha Limpa”, conseguido por iniciativa popular.

Existem outras iniciativas esperando pela sua participação, é só entrar e assinar, caso concorde:

Você mesmo pode criar sua própria campanha e angariar assinaturas.

Portanto, não voto. Se tiver que votar, anulo.

Essa é a minha atitude contra esse velho e ultrapassado sistema injusto!

Não consigo entender como têm pessoas que ainda acreditam nesse sistema, mesmo se arrependendo toda vez que vota! São verdadeiros fantoches do sistema OU estão envolvidos diretamente nessa politicagem, tirando vantagem de alguma forma em cima do povo!